terça-feira, 16 de setembro de 2014

Subtração

Aproveita, porque daqui a pouco não vai ter.

Não vai ter pra beber, nem pra preparar o que comer. Não vai ter nem pra lavar o bumbum do nenê.

Não vai ter roseira, jasmim, violeta;

Não vai ter caqui, manga, melancia; mexerica bergamota ou tangerina.

Não vai ter mais porco pra feijoada sabatina.

Não vai ter mais limpeza; e aí não vai ter paixão que resista ao odor da sua natureza.

Só o que vai ter é a mão rachada, a respiração custosa, a garganta estrangulada.

Só o que vai ter é o silêncio que cresce, a peste que come, a existência que apodrece.

Aproveita, escuta o que eu digo, aproveita.

Porque, se você quer saber, se calhar, daqui a pouco já não vai mais ter nem você.